19 de novembro de 2006

Arte e história como nunca vi...

Ler os livros, ver os documentários ou até ouvir relatos de pessoas sobre os mais variados temas da história e da arte é sem dúvida enriquecedor. No entanto, este fim de semana foi diferente, este fim de semana eu estive lá... Se amam a arte e a história prossigam a viagem que eu fiz pelo Pergamon Museum em Berlim.

A primeira vista do edifico projectado pelo arquitecto Alfred Messel é assombrosa, existe uma mistura muito pouco ortodoxa do estilo clássico das fachadas laterais com uma clara alusão ao estilo Egípcio da fachada frontal, só tenho pena de a minha “pouco potente, mas fiel" máquina digital não conseguir demonstrar toda a grandiosidade do edifício...

O museu recebeu o nome da principal peça que exibe, o Altar de Pergamon, erigido na antiga cidade Grega com o mesmo nome no século 2 antes de Cristo em honra de Zeus… No Século 19 o que restava do altar foi trazido peça por peça para Berlim onde se encontra ainda hoje. O altar original tinha 113 metros de altura e uma beleza que nunca presenciei em mais nenhuma peça de arquitectura, possui um enorme friso em alto-relevo onde estão documentadas as batalhas mais importantes entre os Deuses e os gigantes. Imaginem a minha emoção ao pisar os mesmos degraus de mármore que os sacerdotes da Grécia antiga percorreram nas inúmeras cerimónias que ali se realizaram…

É-me impossível mostrar aqui todas as peças, mas houve 3 que me marcaram muito e tenho de salientar…


A primeira foi a representação de uma batalha incluída no alto-relevo do Altar de Pergamon. A cena revela a batalha entre Triton, o mensageiro das profundezas (filho de Poseidon e Amphirite) e o gigante leão…simplesmente de cortar a respiração…

Este foi sem dúvida um dos momentos mais altos da minha visita… levava comigo um tradutor electrónico que me ia indicando o que estava a ver nas diferentes secções do museu…então eis que ouço algo que nunca esquecerei…”and on your left you can see the main entrance of the long lost Athens temple” Nunca pensei que isto me poderia acontecer…o templo de Atenas, tantas vezes ouvi falar deste templo em honra da guardiã da antiga cidade nos livros de história…mas agora podia tocar nas suas pedras, sentir os rasgos de cada cinzelada dos artistas, enfim…indescritível...

Por fim uma peça que não tem a importância histórica das anteriores, mas que foi sem dúvida a mais inspiradora… Não sei se era o modo como a luz lhe incidia na face, não sei se era por causa da maneira ternurenta como ela me olhava, só sei que fiquei 15 minutos a olhar a Mulher de Magnésia… Penso que esta peça (a última que visitei) resumiu na perfeição a minha jornada, reparem… Ninguém sabe ao certo quem foi esta mulher, no entanto, foi-lhe erigida uma estátua no Século 1 antes de Cristo na cidade de Magnésia (uma antiga cidade estado Grega), isto é algo que não é comum... Nesse tempo só Deuses e pessoas com cargos políticos era representados em estátuas. Os lugares políticos eram vedados a mulheres e ela não era uma Deusa… então como é que esta mulher aparece representada…?

Bem, por algum motivo ela tem uma estátua, nem que seja por apenas ser mulher…

Depois de todos os factos, de todos os estudos, de todas as obras sublimes que vi, esta foi a melhor peça de todas, porque encerra nela o melhor que a história tem… o mistério... E assim termina a minha visita ao museu mais interessante que alguma vez vi…

PS: Mais haveria para contar, os portões de Ishtar (A deusa do amor da antiga Babilónia), fragmentos daquela que se pensa ser a bíblica torre de Babel e muitas outras peças, mas o meu fraco coração já não aguenta…

2 comentários:

Pedro disse...

E as alemonas??

magana disse...

este gajo é mais....tipo....das artes. nao quer saber nada das alemonas!

Trans - Siberiano