13 de setembro de 2007

A Portuguesa cantada como deve ser...

Penso que este vídeo enviado pelo Paulinho reflecte bem o sentimento que qualquer selecção Nacional, seja ela de Râguebi, Basquetebol ou Berlinde, deve carregar durante uma partida.

Neste Mundo virado ao contrário onde os valores desportivos Nacionais se esfumam em contratos milionários de transferências, rescisões ou publicitários, é bom ver que ainda há atletas que carregam as Quinas ao peito... literalmente...



Força Portugal... Pátria sempre...

(já sei que o Amarelinho me vai cair em cima... deixa lá, sonhar nunca fez mal a niguém...)

4 comentários:

Tiago disse...

Força Lobos... Mostrem ao mundo que não basta só ter estrelas na equipa, eh preciso que o sentimento que demonstraram a cantar o hino esteja presente na equipa!!! All Blacks... preparem-se... Força Portugal

amarelinho disse...

Agora conseguistes deixar-me baralhado... porque é que te havia de cair em cima?

Concordo contigo em tudo o que dissestes...

Quanto a sonhar... o mal deste país é que as pessoas deixam de sonhar e de acreditar que o sucesso é possível...

Rotiv disse...

Vou apenas comentar a situação do ponto de vista desportivo...

A verdade é que para se ser patriota não é preciso ser profissional, muito pelo contrário, parece-me que é pelos amadores que a voz de Portugal chega mais longe.

Esse sentimento de orgulho em ser português não se torna maior com o profissionalismo dos atletas, apenas vem do fundo do coração, e esse não se rege pelas mesmas regras.

No entanto o profissionalismo também não altera esse patriotismo, veja-se o caso dos AllBlacks.

Provavelmente é mesmo uma questão desportiva. O râguebi é um desporto nobre...

Anónimo disse...

LAMEIRÃO

Como ex-praticante e amante incondicional desta modalidade vejo no rugby um desporto que exorta conceitos como lealdade, honra, coragem, espírito de sacrifício e camaradagem.
Cada vez mais na sociedade moderna o desporto, em todas as suas modalidades e vertentes, se assume como um negócio de milhões. Negocio este que procura impor-se utilizando todos os meios à sua disposição, alguns muito pouco lícitos. O Rugby não é excepção.
No entanto não vimos no mundial de Rugby 2007, atletas a ter resultado positivo no controlo anti doping, não vimos conflitos entre hooligans de diferentes países, não vimos atletas a queixarem-se de prémios de jogo e participação muito baixos, nem vimos jogadores a não querer jogar por terem um “toque” numa perna, por estarem com ombros deslocado ou dedos partidos.
(O dinheiro que é investido no desporto em Portugal…)
No fim acaba a maior vitória por ser conseguida com a derrota… aquelas lágrimas que vimos nos rostos dos nossos atletas são de homens normais que acreditaram e nunca desistiram lutando não só contra as equipas adversárias mas também contra a indiferença de toda uma sociedade, que no final conseguiram conquistar.
Eu por mim, orgulho-me de ter tido privilégio de jogar contra alguns deles e com alguns deles, como com o Dr. Rui Pedro Cardoso, o “Panelo”, Pilar esquerdo da Selecção nacional de Rugby, licenciado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro em medicina veterinária, ex-jogador da AAUTAD Râguebi e um dos atletas que chorou ao som ds Portuguesa…

Trans - Siberiano