9 de outubro de 2008

A rendição da clorofila política...



Outono em Potsdam

Estamos pois a entrar no Outono, uma estação simpática onde o frio a sério ainda está distante e o sol parece querer aconchegar-nos com o seu tímido sorriso. O Outono é uma época de contrastes por excelência e nada demonstra melhor este facto do que o amarelo, castanho e até vermelho das folhas que começam agora a dar sinal de fraqueza. No Outono a clorofila rende-se e o verde dá lugar ao resto.
O Outono parece também ter chegado à cena política Nacional. Anunciou o governo que devido à "nova situação financeira a nível internacional" fará com que o governo reajuste as previsões macro económicas. A situação financeira actual é tudo menos nova, há já vários meses que analistas económicos vinham a alertar para tal facto. O governo por seu lado manteve o discurso de optimismo, algo que até certo ponto é de louvar, uma vez que não é necessário cair no erro do sensacionalismo. No entanto, a atitude de negação por parte do executivo rapidamente tomou contornos de falácia política quando todos os indicadores financeiros passaram a ser inequívocos de que a economia estava a atravessar momentos complicados. O verde do optimismo foi-se a surgiu o incontornável castanho da tão famosa crise.
Outra rendição Outonal surge com o anúncio de que o grupo parlamentar do PS vai apresentar uma declaração de voto a favor da união de casais homossexuais. Devido à castração democrática imposta pela disciplina de voto os socialistas serão forçados a votar contra, no entanto, apresentarão uma declaração de voto a favor, sendo enumerando como principal motivo o facto de o assunto não constar no programa do governo. As folhas vão caindo, expondo a multiplicidade de opiniões de que é constituída a democracia, o Verão terminou e o Outono vai expondo as inverdades que são claras à vista de quase todos. A sociedade indigna-se e o governo parece não ter mais meios de propaganda para levar ao terreno. Em abono da verdade, não existe também oposição credível e concertada em encontrar soluções concretas, salvo raras excepções. Resta então esperar que o inverno não seja tão impiedoso como nos últimos anos...

1 comentário:

claudia sp disse...

bem... como vai ser de esperar ja vou ter mais uma carta na minha caixa de correio para me informar que me vao subir as contas......
realmente esse tipo de informaçao ja me começa a ser familiar e penso que nao vai mudar, infelizmente para mim.... fico á espera

Trans - Siberiano