13 de agosto de 2007

Miguel, sempre Miguel...

Olá... De onde és?
Olá, sou de Vila Real...

Sou um orgulhoso Vilarealense, orgulho-me de tudo o que Vila Real tem. Orgulho-me dos 37 mil habitantes, orgulho-me do Marão, orgulho-me dos doces, do barro e das gentes, orgulho-me da minha pronúncia, orgulho-me do Rio Corgo cujo o nome pronuncio com uma ênfase exacerbada no "o". Pronuncio assim pois foi assim que me ensinaram, estou-me a marimbar se é ou não gramaticalmente correcto, apenas sei que a maneira como pronuncio o "o" me dá identidade... Para mim existem poucas coisas mais importantes que a identidade, o prazer e saber de que pertencemos a algo é como comida para a alma, algo que não se vê, não se descreve mas que se sente todos os dias...

Hoje falo-vos de uma das personagens mais ilustres que nasceram em Vila Real. Hoje falo-vos de Adolfo Correia Rocha... mais conhecido por Miguel Torga

Adolfo nasceu em São Martinho de Anta a 12 de Agosto de 1907, era filho de gente humilde, ainda chegou a ir para o seminário mas em 1920 muda-se para o Brasil para trabalhar na fazenda do tio, na cultura do café, tinha então 12 anos. Chegado ao Brasil o tio rapidamente se apercebeu que o puto era esperto e que o lugar dele era na escola... Paga-lhe os estudos e em 1925 Adolfo volta para Portugal. Em 1928 entra para a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e publica o seu primeiro livro de poesia, "Ansiedade". Adolfo ama a cidade de Coimbra, onde viria também a exercer a sua profissão de médico a partir de 1939 e onde escreve a maioria dos seus livros. Em 1933 concluiu a formatura em Medicina, sempre com o apoio financeiro do tal tio do Brasil. No inicio exerceu a profissão de médico nas terras agrestes transmontanas que são pano de fundo da maior parte da sua obra. A obra de Torga é intrinsecamente humanista, criado nas serras transmontanas, entre os trabalhadores rurais, assistindo aos ciclos de perpetuação da Natureza, Torga aprendeu o valor de cada homem como criador e propagador da vida e da Natureza "sem o homem, não haveria searas, não haveria vinhas, não haveria toda a paisagem duriense, feita de socalcos nas rochas, obra magnífica de muitas gerações de trabalho humano". Torga, ao se aperceber da magnificência do esforço humano, nega a Divindade. Segundo ele só a humanidade seria digna de louvores e de cânticos de admiração... Começa então a relação conflituosa entre Torga e a religião...

"Hinos aos deuses, não
Os homens é que merecem que se lhes cante a virtude

Bichos que cavam no chão actuam como parecem

Sem um disfarce que os mude".

Era assim que Torga via o Mundo e os homens, o homem, apesar finito, exposto à doença, à miséria, à desgraça e à morte é também capaz de criar, e é sobretudo capaz de se impor à Natureza, tal como os trabalhadores rurais transmontanos que impuseram a sua vontade de semear a terra aos penedos bravios das serras.
Considerado por muitos como um avarento de trato difícil e carácter duro, foge dos meios das elites pedantes, mas dá consultas médicas gratuitas a gente pobre e é referido pelo povo como um homem de bom coração e de boa conversa.
A sua obra é imensa, de entre outros, venceu o prémio Camões em 89 e o de Personalidade do Ano em 91. Faleceu em Coimbra a 17 de Agosto de 1995, nesse dia morreu um dos mais notáveis Vilarealenses de sempre. A sua escrita era mais que palavras, eram também cheiros e imagens das fragas, dos campos, do vento e do frio Transmontano...

Orgulho-me de Vila Real, orgulho-me de Adolfo...

3 comentários:

QuacK disse...

Sem duvida um dos escritores mais marcantes, não so de vila real mas de portugal mesmo! "O mundo maravilhoso de Miguel Torga" e tambem um dos meus autores de eleição. Vila Real apesar de ser um meio fechado (bastante fechado) tem a capacidade de criar algumas das mentes mais brilhantes dos ultimos seculos.

(sem duvida que vou indicar alguma literatura acerca de "Gestão de Residuos" para alguns professores desta universidade!!)
(Como correu a viagem?)
Abraço.

Nandita disse...

Acho o Torga uma personalidade marcante, desde os tempos da Secundária. Por esse lado, agreste, duro...mas ao mesmo tempo maravilhado e emocionado pelo que o rodeia.
E depois fui parar a essa terra, e compreendi tanto a dureza como o encanto. Só Vila Real, só o Douro, esculpem uma pessoa com aquele perfil.
E fico feliz pelo orgulho que tens na tua cidade, sou uma orgulhosa minhota, mas aprendi a amar Vila Real e Trás-os-Montes, e atrevo-me a guardá-los no coração.
Beijo

xinxas disse...

Boas!! Ja ha mt k nao nos vemos... :( e agora k trabalho, isto anda mm complicado... N�o consigo ficar indiferent qd falam dest Homem, pois para al�m d um grand escritor era tb um brilhant m�dico. Digo isto, pq se n�o fosse este senhor provavelment o meu mano nao andava entre nos!! A sua preocupacao e humanismo foram a salvacao de um bebe k hoj e um adulto bem saudavel!! Um grand abraco pra ti e felicidades

Sabrosa*

Trans - Siberiano